Clínica do Trabalho Escravo da UFMG é apresentada à presidência do TRT-MG

“É preciso destruir a obra da escravidão”. Com essa frase do abolicionista Joaquim Nabuco, o presidente do TRT-MG, desembargador Marcus Moura Ferreira, frisou a importância do trabalho realizado pela Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas da UFMG, cujo funcionamento foi apresentado a ele, na tarde desta sexta-feira (2), no gabinete da Presidência, em Belo Horizonte.



De acordo com o desembargador, Nabuco vaticinou em seus discursos, no século XIX, que as raízes da escravidão plantadas em solo brasileiro não seriam extirpadas com a abolição da escravatura, fato hoje comprovado pelos inúmeros casos de trabalho análogos ao trabalho escravo presentes ainda hoje na realidade brasileira.


Na ocasião, os coordenadores da Clínica presentearam a todos na reunião com o livro lançado pela instituição: "Trabalho Escravo: entre os achados da fiscalização e as respostas judiciais". O livro será doado à Biblioteca do TRT-MG e também enviado a todos os desembargadores do Tribunal.


Estiveram presentes a desembargadora Paula Oliveira Cantelli, o desembargador José Eduardo de Resende Chaves Júnior, a assessora especial da Presidência, Paula Maria Nasser Cury e os coordenadores da Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas da UFMG, professores Carlos Henrique Borlido Haddad e Lívia Mendes Moreira Miraglia.


A Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas faz parte de uma experiência pioneira na formação de um sistema internacional de Clínicas de Direito. Visando cumprir o tripé da educação superior brasileira, a Clínica se baseia em três eixos indissociáveis: ensino, pesquisa e extensão. O projeto atende vítimas de trabalho escravo e tráfico de pessoas, prestando assistência jurídica integral e gratuita.


Escravidão em números

Em 2016, mais de 660 trabalhadores em condições análogas à escravidão foram resgatados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social, resultado de 108 ações fiscais realizadas pelo governo. Minas Gerais é o estado líder das libertações, representando 21% do total do país. Mato Grosso do Sul está em segundo lugar e o Pará em terceiro.


https://portal.trt3.jus.br/internet/imprensa/noticias-institucionais/clinica-do-trabalho-escravo-da-ufmg-e-apresentada-a-presidencia-do-trt-mg

Saiba mais sobre o assunto

Clique aqui para conhecer a história de alguns dos pescadores resgatados! 

Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

CONTATO

+55 31 9 9449-2272
Endereço 
Av. João Pinheiro, 100
Edifício Villas Boas, Sala 1404

Belo Horizonte, MG 30130-180

Atendimento ao público

Segunda, terça, quarta e sexta

11h30min às 13h30min

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram