BLOG

Zunduri, a nova vida da ex-escrava que comove o México

Após cinco anos de trabalhos forçados em uma tinturaria na Cidade do México, jovem expõe drama dos escravos modernos "A partir do momento que escapei a coisa mais valiosa que eu tenho na minha vida é a minha liberdade. É a melhor coisa que pode acontecer a você, a melhor coisa que um ser humano pode ter, a maior fortuna: a liberdade.", diz Zunduri. No dia 22 de abril de 2015 a jovem encerrou cinco anos de trabalhos forçados em uma tinturaria na Cidade do México e, com isso, pode expor o drama dos escravos modernos que ainda existem no país. Poucas semanas depois de fugir do local onde trabalhava como escrava, Zunduri falava com uma voz fraca e evitava o contato visual. Agora, prestes a compl

Veja quatro motivos para a existência de trabalho escravo no Brasil em pleno ano de 2016

1- Porque faltam educação, qualificação profissional e condições sociais para trabalhadores em condições vulneráveis A erradicação do trabalho escravo demanda políticas públicas sociais que garantam educação formal e cidadã, qualificação profissional e habitação, por exemplo. Se o trabalhador libertado voltar para a mesma situação de miséria em que se encontrava antes, tem altas chances de entrar de novo no ciclo do trabalho escravo. Especialistas ouvidos pelo Jornal Nexo asseveram a inexistência de políticas públicas que preveem suporte e amparo para garantir melhores condições sociais para as comunidades afetadas por trabalho escravo. Para eles, essa medida é fundamental. 2- Porque a cadei

Agravamento da pobreza no Iraque dá impulso ao tráfico de órgãos no país.

Com mais de 22% da população vivendo na miséria, país teve de endurecer leis para coibir comércio ilegal órgãos humanos. Foto: BBC O agravamento da pobreza no Iraque nos últimos anos está levando muitas famílias a apelar para a venda de órgãos. É o caso da família de Om Hussein, uma mãe iraquiana que chegou ao limite de suas forças e, desesperada, não viu outra saída. Assim como milhões de pessoas no país marcado por mais de uma década de guerras e violência, ela, o marido e quatro filhos enfrentam fome e miséria para sobreviver. O marido, Ali Hussein, está desempregado. Ele é diabético e tem problemas cardíacos. Há nove anos que a família é sustentada por Om, que trabalha como empregada dom

“Viúvas de marido vivo”. Como vivem as famílias de vítimas da escravidão em uma cidadezinha do Maran

Viúvas da Migração: Esposas de vítimas do trabalho escravo cuidam sozinhas de seus filhos, por Stefano Wrobleski, de Codó (MA), para a Repórter Brasil Em Codó, no Maranhão, um dos municípios brasileiros de onde mais migram trabalhadores que foram submetidos à escravidão contemporânea, esposas cuidam sozinhas de seus filhos, que ficam meses ou anos sem ver o pai, tornando-se por vezes viúvas de marido vivo. Tereza Pires da Conceição, vive na periferia de Codó com sua filha Andreia, que foi deixada pelo marido com seus filhos. Ele foi trabalhar fora e não mais voltou. Dona Tereza vive em dificuldades para ajudar a filha e os muitos netos. Fotos: Lilo Clareto/Reporter Brasil A pobreza extrema e

Lixão da Estrutural é berço de trabalho infantil no Distrito Federal

Segundo catadores, a presença de crianças já foi maior. Governo afirma fazer monitoramento para afastar os pequenos de lá. No lugar de brincadeiras e risos, o que se tem são o lixo e o olhar cansado. Os 200 hectares ocupados pelo Aterro Controlado do Jóquei, conhecido como Lixão da Estrutural, além de representarem um risco à saúde pública e ao meio ambiente, guardam o trabalho infantil. Tudo isso a menos de 15km do Congresso Nacional. Em uma visita ao local, a equipe do Correio flagrou crianças trabalhando como catadoras. O perigo mata adultos: no ano passado, pelo menos duas pessoas acabaram atropeladas por máquinas lá. O espaço deveria ter sido desativado em agosto de 2014, de acordo com

Bens apreendidos do tráfico de pessoas podem passar a ajudar as vítimas

Recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) poderão ser aplicados em políticas públicas que ajudem a reparar os danos causados pela exploração sexual e pelo tráfico de pessoas. A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, na última quarta-feira (30), mais essa destinação para o Funpen, disciplinado pela Lei Complementar 79/1994. O Projeto de Lei do Senado (PLS) 374/2012, apresentado pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA), recebeu emenda da relatora, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), destinando a essa finalidade também os recursos confiscados ou proveniente da alienação dos bens perdidos em favor da União, relativos aos crimes de lenocínio e de tráfico de pessoas para fi

'Como fui traficada e virei escrava sexual nos EUA', por Shandra Woworuntu

Após perder o emprego, a indonésia Shandra Woworuntu decidiu emigrar aos Estados Unidos para recomeçar a vida trabalhando na indústria hoteleira. No entanto, ao chegar ao país, mergulhou em um mundo de prostituição e escravidão sexual. "Cheguei aos Estados Unidos em busca de promessas e oportunidades. Fiquei animada de estar em um lugar que me lembrava os filmes e séries de TV. No desembarque, ouvi meu nome: um homem segurava uma placa com minha foto, tirada pela agência de recrutamento na Indonésia. O homem sorriu para mim calorosamente. Seu nome era Johnny, e me conduziria ao hotel onde eu trabalharia. O fato de o suposto hotel ser em Chicago e eu ter chegado em Nova York, a quase 1,3 mil

Britânico que fez esposa viver como escrava é o primeiro a ser condenado por servidão doméstica

Homem que tratou sua esposa como escrava foi preso após um julgamento pioneiro, no qual tornou-se o primeiro britânico condenado por forçar a esposa a viver em servidão doméstica. De acordo com o Tribunal, Safraz Ahmed, 34 anos, submeteu Sumara Iram a uma existência de "violência, intimidação, agressão e miséria". Promotores e policiais disseram esperar que o caso de Safraz Ahmed, um mecânico do sul de Londres que abusou, humilhou e insultou sua esposa ao longo de um período de dois anos, faça com que mais casos de vítimas em potencial venham à tona. Ahmed submeteu Iram a "tortura física e mental" depois que ela veio do Paquistão para o Reino Unido, no final de 2012, para um casamento arranj

BBC flagra atuação de traficantes de pessoas na Turquia

Com uma câmera escondida, a reportagem da BBC flagrou como traficantes vêm se aproveitando dos refugiados sírios na Turquia. Na região, o tráfico de pessoas é controlado por gangues criminosas, muitas delas formadas por curdos e afegãos. A reportagem da BBC também conseguiu acesso exclusivo ao centro nervoso do esquema, onde as transações acontecem. Logo após entrar na pequena sala comercial, um dos traficantes considera suspeita a presença da equipe, temendo estar sendo roubado. A matemática por trás do negócio é simples e muito lucrativa. Em média, os traficantes ganham de 16 mil a 20 mil dólares (R$ 61 mil a R$ 76 mil) por viagem e há milhares de pessoas fazendo a travessia todos os dia

Roupa Limpa, moda sem trabalho escravo

Cresce campanha mundial para eliminar super-exploração de imigrantes num dos setores em que é mais frequente. Na Argentina, movimento inclui desfiles alternativos e selo de respeito à dignidade Na Argentina, já são vinte as marcas de confecção que garantem que seus produtos são fabricados em condições dignas de trabalho, graças à rede Roupa Limpa, que pretende tirar da moda as manchas do trabalho escravo, em um setor que emprega ilegalmente cerca de 30 mil pessoas no país. Os membros da Cooperativa 20 de Dezembro param o trabalho para almoçar e, após uma jornada de sete horas, saem do emprego para buscar os filhos na escola. Estes são direitos incluídos nas leis locais, mas que não são cumpr

Região amazônica tem rotas de tráfico humano sem fiscalização

Vila de Santa Rosa, no Peru: travessia de barco a motor desde Tabatinga (AM) leva pouco mais de quatro minutos A vulnerabilidade da tríplice divisa, na confluência entre Brasil, Peru e Colômbia, para a fiscalização do tráfico humano realmente impressiona. Chamada de fronteira "viva" ou "aberta", do porto de Tabatinga (AM) para a localidade peruana de Santa Rosa são apenas quatro minutos em linha reta de "pek-pek" - o motorzinho de popa que tornou os deslocamentos pelos rios Solimões e Amazonas mais rápidos e incontroláveis. Entre Benjamin Constant, no lado brasileiro, e Islândia, no Peru, a distância é ainda menor: cerca de 50 metros pela foz do rio Javari, que podem ser cruzados a remo, ou

Logotipo da Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas da UFMG

Na última sexta-feira, foi feita a recepção dos novos integrantes da Clínica e divulgado o logotipo vencedor do concurso, obra de Felipe Manoel de Carvalho. O prêmio de R$500,00 foi entregue ao ganhador pelos coordenadores da Clínica Carlos Haddad e Lívia Miraglia. O logotipo assume simplicidade e traços modernos, para que as pessoas não atribuam a prática da escravidão somente aos marcos tradicionais dos livros de história, retirando esse estigma e trazendo percepção semiótica para algo menos óbvio. O design geométrico baseou-se em dois elos de uma corrente se partindo, desvencilhando um do outro e se quebrando para simbolizar a liberdade. Os elos da corrente não são tão evidentes e demons

FASHION REVOLUTION WEEK 2016

No dia 24 de abril de 2013, 1.133 pessoas morreram e muitas outras ficaram feridas quando o complexo de fábricas Rana Plaza desabou em Dhaka (Bangladesh). Todos os dias acontecem catástrofes sociais e ambientais na indústria da moda, em vários lugares do mundo. Inspirada nas tragédias do mundo fashion, e no desejo de mudança, surgiu a Fashion Revolution Day, campanha que tem como objetivo apresentar soluções sustentáveis realistas em meio a pressão e complexidade da indústria global da moda. A compra é apenas o último passo em uma longa jornada que envolve centenas de pessoas - você já parou para se perguntar onde, como e por quem suas roupas são feitas? E o verdadeiro custo delas? Entre os

Nossas Redes Sociais
  • Facebook Social Icon
  • YouTube
  • Instagram
Participe!
Assine o nosso manifesto contra o PLS 432/13 e o PL 3.842/12, que pretendem reduzir o conceito de trabalho escravo contemporâneo no Brasil. 
Arquivo

CONTATO

+55 31 9 9449-2272
Endereço 
Av. João Pinheiro, 100
Edifício Villas Boas, Sala 1404

Belo Horizonte, MG 30130-180

Atendimento ao público

Segunda, terça, quarta e sexta

11h30min às 13h30min

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram