Nova regra de trabalho escravo cria ‘vexame internacional’, diz nova integrante de comissão da OEA


BRASÍLIA — Depois de exercer os cargos de secretária de Direitos Humanos e de secretária nacional de Cidadania do Ministério dos Direitos Humanos do governo do presidente Michel Temer, a procuradora de São Paulo Flávia Piovesan deixou na quarta-feira o governo para integrar a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA). Ela será uma dos sete integrantes da comissão, sediada em Washington (EUA), num mandato de quatro anos que se inicia em 2018. Flávia foi bastante criticada por aceitar integrar o governo Temer num momento em que o presidente extinguia o ministério que cuidava de direitos das mulheres, igualdade racial, juventude e direitos humanos em geral. Depois, Temer recriou o ministério. Flávia não virou ministra, mas secretária de Cidadania, cargo do qual foi exonerada.


Em entrevista ao GLOBO, a ex-secretária, que tem um histórico de atuação na área de defesa dos direitos de minorias, reiterou uma crítica já feita, na reta final de sua estada no governo, à portaria do governo que relaxou as regras de combate ao trabalho escravo. "A legislação brasileira nos coloca num patamar de excelência e a portaria nos faz cair para uma posição de vexame internacional", disse Flávia. Ela também afirmou ter se manifestado dentro do ministério contra o projeto de lei que estabeleceu a Justiça Militar como foro para julgamento de crimes de militares, sancionado por Temer, e contra mudanças na Lei Maria da Penha, na mesa do presidente para sanção ou veto. "Fiz o meu melhor, num período de imensa turbulência na República."


Confira trechos:


Ainda no cargo, a senhora fez uma crítica à portaria do governo que relaxa as regras para coibir o trabalho escravo. Mantém a crítica?

Eu mantenho as mesmas críticas que fiz. A portaria traz três grandes problemas. O primeiro é a violação do artigo 149 do Código Penal, que traz definição contemporânea sobre trabalho escravo, em relação à Constituição e aos tratados da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Hoje, pela legislação, o trabalho escravo pode ocorrer em quatro hipóteses: o trabalho forçado propriamente dito, por dívidas, jornada exaustiva e condições degradantes. A legislação brasileira nos coloca num patamar de excelência e a portaria nos faz cair para uma posição de vexame internacional. Um segundo ponto é que a Conatrae (Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo) discute critérios de aprimoramento sobre a lista suja, que é um mecanismo aplaudido internacionalmente por prevenir o trabalho escravo. E outro tema que ontem (terça-feira) nós pautamos foi resguardar o trabalho dos auditores fiscais. Eles têm um trabalho extraordinário em prevenção. Está havendo uma fragilização do trabalho dos auditores fiscais. Não estamos falando de qualquer violação. Ninguém duvida que a escravidão é de extrema gravidade. Hoje temos muitos aspectos desafiadores contemporâneos. Por exemplo: há mais trabalho escravo urbano do que rural, em termos de denúncia.


Pretende levar para a OEA esta mudança em relação ao combate ao trabalho escravo, instituída pelo governo Temer?

Os sete integrantes da comissão têm de ter independência e não podem lidar com seus países de origem. Eu não vou poder lidar com casos brasileiros.


Além das críticas feitas, a senhora chegou a fazer algum gesto dentro do governo para tentar barrar essa portaria? A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, por exemplo, defende a revogação, não alterações, como anunciou o governo.

O que eu tenho reiterado é que a Conatrae, colegiado quadripartite, legítimo, com voz dos empregadores, trabalhadores, setor governamental e sociedade civil, é o locus apropriado para tratar desse assunto. É o caso da discussão sobre a lista suja, outro aspecto de retrocesso, porque a portaria acaba passando para o poder unipessoal do ministro (do Trabalho) a decisão, sem qualquer critério sólido. Eu levei à ministra minhas considerações, ela ficou de avaliar. Naquela conjuntura, eu não podia me calar. Tanto que a nota que lancei de imediato foi em nome da Conatrae, assinando pessoalmente a nota.


A ministra manifestou à senhora uma contrariedade com a portaria?

Ela disse que ia apreciar e tudo mais. Mas fiquei muito feliz porque ao menos à imprensa ela corroborou ser contrária à portaria. Estive também com a ministra (do Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber (que determinou a suspensão da portaria), em audiência. Entreguei a ela a nossa manifestação, na quarta-feira da semana passada, depois da decisão. Mantive o pedido feito antes.


Via: O Globo

Saiba mais sobre o assunto

Clique aqui para conhecer a história de alguns dos pescadores resgatados! 

Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

CONTATO

+55 31 9 9449-2272
Endereço 
Av. João Pinheiro, 100
Edifício Villas Boas, Sala 1404

Belo Horizonte, MG 30130-180

Atendimento ao público

Segunda, terça, quarta e sexta

11h30min às 13h30min

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram