Agravamento da pobreza no Iraque dá impulso ao tráfico de órgãos no país.

Com mais de 22% da população vivendo na miséria, país teve de endurecer leis para coibir comércio ilegal órgãos humanos.

Foto: BBC

O agravamento da pobreza no Iraque nos últimos anos está levando muitas famílias a apelar para a venda de órgãos. É o caso da família de Om Hussein, uma mãe iraquiana que chegou ao limite de suas forças e, desesperada, não viu outra saída. Assim como milhões de pessoas no país marcado por mais de uma década de guerras e violência, ela, o marido e quatro filhos enfrentam fome e miséria para sobreviver. O marido, Ali Hussein, está desempregado. Ele é diabético e tem problemas cardíacos. Há nove anos que a família é sustentada por Om, que trabalha como empregada doméstica, mas ela diz estar ficando sem condições de trabalhar.


"Estou cansada e ficamos sem dinheiro para pagar aluguel, remédios, comida e as necessidades das crianças", conta ela, na casa de um quarto no leste de Bagdá, onde a família está morando temporariamente. A casa onde a família morava estava tão deteriorada que desabou há alguns meses; eles têm sobrevivido graças à ajuda de amigos e parentes.


"Trabalhei em tudo o que você pode imaginar", conta o marido, Ali. "Açougueiro, diarista, catador de lixo. Eu não pediria dinheiro, mas eles deram", disse Ali. "Eu diria para o meu filho pegar pão jogado fora na rua e nós comeríamos, mas nunca pedi comida ou dinheiro."

Em meio a tanta pobreza, Om Hussein decidiu fazer um grande sacrifício."Decidi vender um dos meus rins. Eu não podia mais sustentar minha família. Seria melhor do que vender meu corpo ou viver de caridade", disse. O casal encontrou um traficante de órgãos, mas exames iniciais mostraram que os rins de Om e de seu marido não eram saudáveis o bastante para aguentar um transplante.

Decepcionados, o casal pensou em uma solução desesperada. "Por causa de nossa situação miserável até pensamos em vencer o rim de nosso filho", disse Ali apontando para o filho de nove anos, Hussein. "Faríamos qualquer coisa menos pedir esmolas. Por que nós chegamos a isso?" A família não foi tão longe, mas dizem que só de pensar na possibilidade todos já ficaram desolados.

A crescente pobreza no país deu grande impulso ao tráfico de rins e outros órgãos em Bagdá. Segundo estatísticas do Banco Mundial relativas a 2014, cerca de 22,5% da população do Iraque, de quase 30 milhões de pessoas, vivem na miséria. Gangues oferecem até US$ 10 mil (quase R$ 36 mil) por um rim e têm se aproximado dos iraquianos mais pobres, transformando o país em um novo centro do comércio de órgãos no Oriente Médio. "O fenômeno é tão espalhado que as autoridades não têm como combatê-lo", disse Firas al-Bayati, advogado ligado a defesa de direitos humanos.


Médicos afirmam que, em alguns casos, há dúvidas sobre a ocorrência do tráfico de órgãos, mas eles temem pela vida do paciente (Foto: BBC)


Tráfico de Órgãos


A Dra. Denise Priolli, da Faculdade de Medicina da Universidade São Francisco (USF) afirma que os fatores primordiais que favorecem a ocorrência deste crime são "a falta de informação da população, a ausência de políticas de saúde que garantam o acesso ao órgão por vias não criminosas e a vulnerabilidade do cidadão doente a qualquer opção viável para que sua condição de saúde melhore, numa situação muitas vezes desesperadora quanto ao sofrimento imposto por sessões de diálise diárias, falta de convívio social, dificuldade de transporte, etc. Ao mesmo tempo, pelo outro lado encontram-se pessoas em situação de vulnerabilidade não causada pela doença, mas pelas condições de pobreza extrema, onde a venda de um órgão parece representar pouco diante de sua condição, além de apresentar-se num contexto de 'ajuda ao próximo'. A deficiência de oferta de órgãos e a alta demanda impulsionam o tráfico, já que, como foi dito anteriormente, se houvesse número de órgãos disponíveis para os pacientes, não haveria sentido e nem vantagem comercial no tráfico".


Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/04/familias-iraquianas-recorrem-venda-de-orgaos-contra-pobreza.html; http://www.a12.com/semana-santa/formacao/detalhes/modalidades-do-trafico-humano-comercio-de-orgaos-e-tecidos

Saiba mais sobre o assunto

Clique aqui para conhecer a história de alguns dos pescadores resgatados! 

Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

CONTATO

+55 31 9 9449-2272
Endereço 
Av. João Pinheiro, 100
Edifício Villas Boas, Sala 1404

Belo Horizonte, MG 30130-180

Atendimento ao público

Segunda, terça, quarta e sexta

11h30min às 13h30min

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram